Melhore consideravelmente sua vida com esse simples gesto diário!

Abraços curam? Veja aqui porque abraçar alguém o mais rápido possível!

Desde o nosso nascimento até à morte, o toque é uma parte importante da saúde emocional e física, pois desencadeia a liberação de hormônios, como a dopamina e a ocitocina, e reduz a quantidade de cortisol em seu corpo, hormônio que quando desregulado, traz inúmeros malefícios para o organismo.

Os benefícios para a saúde resultantes de abraços incluem uma redução nos sentimentos de tristeza, pressão arterial mais baixa, diminuição da freqüência cardíaca, redução da ansiedade e aumento da compaixão.

Desde o momento em que você nasceu até o dia em que morre, o toque é uma parte importante da sua saúde emocional e física. Em testes realizados, os bebês que são privados de toque, crescem com atrasos de desenvolvimento e cognitivos, distúrbios de apego e maiores riscos de infecções graves.

Já em outros testes, crianças prematuras que são mantidos em contato físico apresentam melhores habilidades cognitivas, são mais resistentes ao estresse e têm mais o sono mais calmo. Isso se reflete até os 10 anos de idade!

Estas primeiras intervenções baseadas em toque demonstram como a necessidade de contato está diretamente ligada com a regulação psicológica. Os benefícios do toque não diminuem com a idade. Virginia Satir, que foi uma famosa psicoterapeuta reconhecida como pioneira no estudo da terapia familiar, falou sobre a importância do toque e dos abraços. Tudo de acordo sobre como se relacionam com a saúde emocional de uma pessoa.

Segundo ela, o ser humano precisa de quatro abraços por dia para sobreviver, já se você quer ter uma boa relação mental, é necessário 8 abraços por dia. Mas se quer crescer como pessoa, é preciso no mínimo 12 abraços diários.

Essa representação interfere diretamente na quantidade de ocitocina gerada pelo corpo, um hormônio liberado pela glândula pituitária em resposta ao toque físico. O simples ato de abraçar não só pode aumentar o vínculo com os outros, mas também pode aumentar a sua saúde física e emocional, cientificamente comprovado.

A importância do toque

Na ausência do toque, as crianças tornam-se quase irreconhecíveis, desenvolvendo distúrbios de personalidade e outras condições que tornam difíceis para que vivam em sociedade.

Há relatos históricos de crianças que cresceram de forma “selvagem” ou na natureza sem o benefício do toque. Foi registrado a dificuldade  Mostram que muitas vezes têm dificuldade de se encaixarem em um grupo.

O toque é a linguagem principal para comunicar a compaixão e é fundamental para a comunicação, a ligação e a saúde. O abraço é importante por melhorar o sistema imunológico, reduzir o estresse, estimular o sono e não tem efeitos colaterais. Ele não drena suas energias, do contrário, recarrega elas! Isso sem contar que é gratuito.

Em estudos realizados, foi diagnosticado a dificuldade que algumas culturas tem em manter o contato físico com outras pessoas. Países como os Estados Unidos da América tem o costume médio de encostar nas outras pessoas somente 2 vezes em uma hora! Já na Inglaterra, é comum que não ocorra essa “liberdade” para com o outro.

Porém, em locais como a França e Porto Rico, a média é de 110 até 180 vezes no período de uma hora!

Ocitocina: os benefícios para a saúde

Os seres humanos são programados para que ao serem abraçados, se sintam quentes e queridos por “dentro”. Não importa se é um abraço de mãe para filho, um abraço de um amigo ou conhecido, a investigação sugere que estes pequenos toques trazem benefícios reais de saúde física e emocional para as pessoas.

A base científica para vários dos benefícios psicólogos associados com abraços é o resultado da liberação de ocitocina. Também chamado de “hormônio do amor” ou “hormônio do carinho”, ele é liberado de sua glândula pituitária, provocando uma avalanche de emoções dependendo do ambiente e como você associa o hormônio em sua mente.

Em outras palavras, nos casos em que o hormônio foi liberado durante situações que não eram agradáveis, como em relacionamentos ruins, pode ser que isso diminua a sua aceitação em relação as pessoas. O hormônio foi reconhecido pela primeira vez para o papel que desempenhou na ligação mãe e filho durante a gravidez e seus cuidados.

Embora a ocitocina pareça estar relacionada ao vínculo que uma mãe sente com seu bebê, essas interações também aumentam a quantidade de ocitocina secretada pelo bebê. A experiência de ligação da ocitocina não se limita à infância, mas também se traduz na idade adulta, desencadeando sentimentos de confiança e apoio entre as pessoas que se abraçam.

Essas reações são o resultado de ações vindos de um neurotransmissor localizado no centro emocional do cérebro. Ele promove sentimentos de contentamento e pode até mesmo promover o comportamento monogâmico, especialmente em homens que já estejam ligados a uma mulher.

A liberação de ocitocina com abraços desencadeia sentimentos de compaixão pela outra pessoa, uma forma necessária de conexão e apoio durante momentos de estresse psicológico ou sofrimento. Esses sentimentos de intimidade e proximidade, são responsáveis por te deixar altamente otimista, saber onde você se encaixa socialmente e ter uma sensação positiva de bem-estar.

Relação entre abraços e cortisol

A liberação de ocitocina reduz seus níveis de hormônio do estresse, ou cortisol. Essa redução no estresse, combinada com um sentimento de apoio emocional, parece apoiar seu sistema imunológico e torná-lo menos suscetível a doenças comuns, como o resfriado.

Algumas pesquisas apontam que o número de abraços que você dá ou recebe, estão diretamente ligados a suscetibilidade do seu organismo para desenvolver um resfriado, por exemplo. Eles aumentam as chances de um sistema imunológico fortalecido em até 32% em relação aos outros. Até mesmo quando se está resfriado, os sintomas de quem abraça mais são mais brandos.

A pressão de um abraço pode estimular sua glândula timo, responsável pela regulação e equilíbrio de seus glóbulos brancos, outro benefício em que abraços podem apoiar seu sistema imunológico. Esta redução no cortisol e estresse percebido também pode ajudar a manter a calma durante um momento estressante, como uma apresentação no trabalho ou exame médico. A redução do estresse também reduz sua freqüência cardíaca e a pressão arterial, o que reduz grandemente seu risco de ter alguma doença cardíaca.

A redução do estresse também pode ter uma resposta positiva na prevenção de outras doenças, como por exemplo o diabetes e o câncer.

Abraços ajudam a manter a depressão longe!

Um abraço é também uma das maneiras mais fáceis de demonstrar apreço e reconhecer que a pessoa que você está abraçando é importante na sua vida. Quase 55% de toda a comunicação é não verbal, ou seja, um único gesto do como o abraço é um método excelente de transparecer o amor e o cuidado por aquele indivíduo.

Abraços também são responsáveis por estimular o seu cérebro na liberação de várias outras substâncias químicas que interferem no seu humor e emoções. O primeiro, dopamina, é um hormônio que evoca prazer no cérebro. Endorfinas e serotonina também são liberadas, ajudando a reduzir a dor e os sentimentos de tristeza.

De acordo com alguns cientistas especialistas em relacionamento, quando abraçamos pessoas querida, isso promove a sensação de intimidade e um apego saudável, que é a base para que as relações interpessoais sejam saudáveis e durem muito tempo.

Infelizmente, com a idade, o número de toques e abraços recebidos muitas vezes tende a cair. Os idosos que vivem sozinhos podem não sentir um toque diário. A afeição pode fazer uma grande diferença na saúde emocional e física dos idosos.

Ser tocado e tocar alguém são modos fundamentais da interação humana, e cada vez mais, muitas pessoas estão procurando profissionais do toque, como fisioterapeutas.

Há o registro de que alguns até esperam nos consultórios médicos para um exame físico de doenças sem uma causa orgânica – eles esperam para serem tocados.

A evolução do abraço

O conhecido mestre zen Thich Nhat Hanh, que fez fama a meditação de abraços, é um líder global cujo ensinamento chave é que através da atenção plena as pessoas podem aprender a viver no momento presente. Ele acredita que um bom abraço pode ter efeitos que mudam a vida do indivíduo: “Quando nos abraçamos, nossos corações se conectam e sabemos que não somos seres feitos para viver separados. Abraçar com atenção e concentração pode trazer reconciliação, cura, compreensão e muita felicidade”.

Abraçar como uma forma de meditação pode ser praticado com sua mãe, pai, irmão, cônjuge ou até mesmo uma árvore, de acordo com Hanh. A prática começa com o reconhecimento da presença um do outro e, em seguida, um abraço que seja composto de três respirações profundas. A primeira respiração é projetada para ajudar você a reconhecer a sua presença no momento presente.

Com a segunda respiração você se torna consciente da presença da outra e com sua terceira respiração você celebra com gratidão sua presença com a outra pessoa. Hanh acredita que abraçar de tal forma, traz a realidade para o momento presente, e possivelmente uma reconciliação. Ao mesmo tempo, esta prática libera os outros benefícios de saúde que já foram mencionados.

Curiosidades sobre abraços

Abraços são saudáveis ​​para o seu bem-estar emocional e físico. Mesmo um abraço de apenas 10 segundos pode te trazer a maioria dos benefícios listados acima. Com base em um estudo, os benefícios para a saúde podem incluir a redução da fadiga, melhoria da saúde do coração e diminuição da depressão.

Em relação ao seu parceiro, quando você o abraça de uma forma mais longa, isso libera mais dopamina e pode aumentar seu desejo sexual. Abraçar também pode reduzir o medo ao se preocupar com a mortalidade. Um estudo descobriu que até mesmo abraçar um objeto inanimado, como um ursinho de pelúcia, pode reduzir esses temores.

A liberação de ocitocina do abraço também pode ajudar a reduzir a ansiedade social. Conseguir um abraço antes de ir a uma festa onde você não conhece ninguém pode ajudá-lo a se sentir mais confiante e sociável.

Um feriado nacional foi fundado em 1986 para incentivar o abraço. Foi reconhecido pelo escritório dos direitos de autores dos Estados Unidos da América, mas não é um feriado público. O objetivo é ajudar as pessoas a mostrar mais emoção em público em um país onde este tipo de exibição não é comum.

Mais visitados: