Maconha Pode ser Benéfica Para o Cérebro Conforme Pesquisas

A planta está ficando mais atraente conforme mais pesquisas são feitas. Os canabinoides da cannabis – canabinol (CBD) e tetraidrocanabinol (THC) – interagem com seu corpo por meio de receptores naturais embutidos nas membranas celulares em todo o corpo.

Os cientistas agora acreditam que o sistema endocanabinoide pode representar o sistema de receptores mais difundido no corpo. Existem receptores de canabinoides no cérebro, pulmões, fígado, rins, sistema imunológico e muito mais. As propriedades terapêuticas e psicoativas da maconha ocorrem quando um canabinol ativa um receptor.

Seu corpo produz seus próprios canabinoide, similar àqueles encontrados na marijuana, embora em quantidades muito menores. Por isso ele está repleto de receptores canabinoides. Estas são uma chave para diversas funções biológicas, mostrando o grande potencial médico da maconha.

A planta também contém terpenos – outras propriedades medicinais. A maconha usada possuem alto CBD e baixo teor de THC – que possui propriedades psicoativas. No entanto, pesquisas recentes mostram que o THC não deve ser eliminado completamente, pois também possui alto potencial terapêutico.

O THC Pode Reverter o Processo de Envelhecimento no Cérebro

De acordo com testes em animais, o THC tem uma influência benéfica no envelhecimento do cérebro. Ao invés de entorpecer ou prejudicar a cognição, o THC parece reverter o processo de envelhecimento e melhorar processos mentais, levantando a possibilidade de tratamento da demência em idosos.

Para testar a hipótese, foi dada uma pequena dose diária de THC à ratos ao longo de um mês na idade de 2 meses, 12 meses e aos 18 meses de idade. É importante entender que os ratos vivem até 2 anos. A dose foi pequena o suficiente para evitar quaisquer efeitos psicoativos.

Os testes avaliaram as habilidades de aprendizado, memória, orientação e reconhecimento dos animais. Curiosamente, camundongos com 18 meses que receberam THC demonstraram habilidades cognitivas iguais aos com 2 meses de idade, enquanto o grupo placebo sofreu deterioração cognitiva associada ao envelhecimento natural.

De acordo com um dos autores, o professor de neurobiologia Andreas Zimmer, da Universidade de Bonn, “O tratamento reverteu completamente a perda de desempenho nos animais idosos. Nós repetimos essas experiências muitas vezes, é um efeito muito robusto e profundo“. Especificamente, os neurônios no hipocampo cresceram mais espinhas sinápticas – pontos de contato necessários para a comunicação entre os neurônios.

Segundo Zimmer, o THC parecia ter “voltado o relógio molecular” nos animais tratados com THC. (Pesquisas anteriores também mostraram que o cérebro envelhece muito mais rápido em camundongos que não têm receptores funcionais para THC, sugerindo que ele pode estar envolvido na regulação do processo de envelhecimento). A equipe está planejando testes para ver se o mesmo acontece em humanos.

Canabinóides Mantêm a Homeostase

Seu sistema endocanabinóide tem propriedades homeostáticas, o que significa que ajuda a equilibrar a resposta do seu corpo ao estresse. Isso ajuda a explicar algumas das reações à cannabis.

Em camundongos jovens (e provavelmente também pessoas),o THC pode facilmente ter um efeito excessivamente estimulante, resultando em um declínio na memória e aprendizagem (embora temporário, enquanto sob a influência). Em ratos mais velhos, uma pequena quantidade de THC basicamente restaurou os níveis para o deu animal mais jovem.

Do mesmo modo, uma das razões pelas quais a cannabis é tão eficaz para as convulsões é devido a capacidade de regular a atividade neuronal e restabelecer a homeostase. Se há muita atividade neuronal, a cannabis suprime, e se a atividade é baixa, ela aumenta.

Mais visitados: